sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Ѽ Silêncio

Eu sou como um chinelo arrebentado. Por mais que eu encontre um pé, logo serei descartado, pois não serei útil. Também não tenho conserto. As vezes estar rodeado de pessoas não significa que você não está sozinho. Eu estou sempre sozinho. Sempre silenciado. Sempre o menos importante.  Será que um dia eu vou encontrar o meu lugar? Será que um dia alguém vai gostar de mim do mesmo jeito que eu gosto? Será que um dia minha opinião deixará de ser um simples grupo de palavras insignificantes ao vento e passará a valer alguma coisa? Ou será que é esse meu lado liberal demais que faz com que as pessoas me vejam como um “putão cabeça de vento” o qual não se pode levar a sério nem ser querido?

Sinceramente? Eu não vou mudar quem eu sou. Não sou eu quem tem que me adaptar aos conceitos arcaicos e mal resolvidos de uma sociedade que julga tudo o que é diferente e o que não compreende. Eu, definitivamente, não tenho que mudar um centímetro cúbico sequer para agradar ninguém. Se o preço disso é a solidão, então eu o que pagarei. As vezes eu me canso de todas essas regrinhas impostas pela sociedade. Acredito que já teríamos evoluído muito mais se essas não existissem. Por outro lado, talvez estivéssemos vivendo o caos. 

As coisas estão indo bem na minha vida. Quero dizer... Parece que tem uma força maligna atrás de mim fazendo com que eu torça o pé todo dia, mas eu estou lutando contra isso e não vou desistir. Sempre quando alguma coisa boa está por vir, algo ruim tenta te atrapalhar, mas eu não vou deixar. Essa vaga na Marinha é minha. Eu estudei messes intensamente para passar nessa prova e consegui uma colocação maravilhosa. Não será agora que eu vou desistir. Eu vou dar o melhor de mim, custe o que custar.

Por outro lado, a vida pessoal parece que está virando fumaça. Eu não consigo mais me sentir a vontade em nenhum ambiente. Eu queria umas férias de todo mundo. Estava pensando em pedir a casa de praia do meu tio emprestada pra eu passar uma semana lá depois que eu saísse do trabalho. Estou realmente com a mente cansada e acredito que cansaço mental é muito mais difícil de passar do que cansaço físico. Eu preciso dar um jeito nisso.

Eu preciso de disciplina. Eu preciso saber que não sou mais um adolescente e que agora eu vivo num meio onde sempre serei julgado pelo que faço. Eu preciso ser mais discreto, não com relação às minhas atitudes, mas com meus assuntos.  Na maioria das vezes as pessoas não são psicologicamente preparadas para entender certos assuntos, então é melhor eu me resguardar quanto a alguns deles. E é por isso que as vezes a confiança acaba... Ou até mesmo a vontade de compartilhar as coisas...

Não julgar alguém ou rotular é a coisa mais difícil que um ser humano pode fazer, mas não é impossível.

6 comentários:

Gui disse...

Perseverança.

:)

Ma disse...

Bate colega o/

Mas por experiência própria e de outros conhecidos, não se cobre tanto e se permita ser um adolescente até o último instante, vale a pena e te torna um adulto muito mais feliz

Abs

Dil Santos disse...

Menino, concordo, escrevi até algo no gênero no blog, rs
Menino, seria tudo o príncipe montado numa moto né? rsrs
Bjo

Ro Fers disse...

Gostei da descrição feita por ti, me vi em certas situações, nos quais me resulta a solidão, mas é a vida, faz parte...
Forte abraço!

Renato Orlandi disse...

Ótimo texto, muito bem escrito apesar de muito triste. Gato, sempre o considerei como um adulto, acredito que esse momento que passa será bem proveitoso para dar grandes passos nessa direção. Concordo muito que as vezes precisamos nos resguardar, tanto física como espiritualmente, então aproveite seus dias no litoral e organize suas idéias, saiba reconhecer quem são as pessoas preparadas e mais: dispostas e ouvi-lo e entende-lo....... precisando de mim é só gritar! Bjao! s2

FOXX disse...

"Eu sou como um chinelo arrebentado. Por mais que eu encontre um pé, logo serei descartado, pois não serei útil."

uau!
me descreveu!