sábado, 8 de janeiro de 2011

Ѽ The First Ménage

Era um dia quente de verão no Rio de Janeiro. Bom, na verdade isso soa até meio incoerente, porque aqui no Rio, quase todos os dias são tão quentes quanto os de verão. Mas aquele dia era especial. Eu acordara bem cedo por um infeliz engano, todavia aproveitara a ausência de pessoas em casa e decidi me depilar como há muito tempo não fazia. Já estava me sentindo a Cláudia Ohana.

Mas foi bem mais tarde que tudo aconteceu. Exausto e suado de um dia e uma viagem significativamente cansativos, eu me sentei no sofá enquanto ele me servia um copo de vinho. A decoração de sua casa era admirável e muito discutimos sobre ela. Seu companheiro estava no mercado e não tardaria a chegar, entretanto o perigo de sermos pegos parecia excitá-lo. E foi assim que ele se aproximou de mim alisando minha perna esquerda.

Eu definitivamente não estava ali para brincar e estava decidido a ter o melhor desempenho sexual que eu já tivera em séculos. Então fomos para cozinha e sobre a bancada começamos a nos beijar. Línguas no pescoço e apertões explodindo prazer. Nossos membros rijos lutando entre si por dentro das roupas folgadas utilizadas apenas em dias de muito calor.

O tempo não estava a nosso favor e o que tivesse que ser feito, deveria ser feito ali naquela hora. Eu então o virei de bruços e logo o penetrei. Foi intenso. Tinha que fazer o melhor que podia com o pouco tempo que tinha. Mas é claro que eu ainda não entregaria o ouro. Aquilo não terminaria ali e então antes que ele ou eu chegássemos ao ápice eu parei e o deixei pedindo por mais. Não estava afim de arranjar problemas antes do seu companheiro chegar.

E então sentamos na sala novamente e com mais duas taças de vinho conversamos “descontraídos” até que o terceiro chegou. Ele me cumprimentou, pois não me via há muito tempo. Após se servir de uma taça de vinho, aconchegou-se ao meu lado fazendo com que eu ficasse no meio. E a mesma técnica aplicada pelo primeiro fora aplicada pelo terceiro. Parece que os gays para seduzir são sem criatividade.

Dessa vez eu não hesitei e logo comecei a beijá-lo. Embora eu adore prolongar o ato, se tem uma coisa que eu não suporto é melação de cueca. As coisas comigo devem ter suspense, expectativa e sedução, mas tudo deve ser feito sem rodeios. E então a diversão começou. A três.

Depois do ato, o primeiro decidiu que queria tomar um banho e isso me deixou sozinho com o terceiro. E foi ali que fizemos um pouquinho de tudo, mas sozinhos dessa vez. Ele era maravilhoso de corpo e tinha um pênis bem maior que o primeiro. Sua pele moreno-avermelhada me excitava de tal forma que não conseguia explicar. E então gozamos e logo em seguida nos recompomos para esperar que o primeiro saísse do banho.

Depois foi a vez do terceiro tomar banho enquanto eu ficava conversando com o primeiro. E a putaria só voltou a acontecer quando ele também saiu do banho. Quando os dois, numa forma de me agradecer por ajudá-los a realizar uma antiga fantasia, me fizeram o melhor sexo oral de toda a minha vida.

It’s Sasha!
XoXo

6 comentários:

Renato Orlandi disse...

Uau, espero que tenha se divertido hehehe... tenho esse fetiche, quem sabe um dia! ^^ >> sim diferença de dias, assim como nosso níver hahahaa... aiai! Bju!

Cocada.g disse...

nossa, que experiencia mais inusitada! Não sei como me sairia, por causa do meu lado meio que romantico, eu só consigo me focar em uma pessoa hehe! Dois ao mesmo tempo, deve ter sido um sexo oral do caralho!

Bom final de semana!
abraços@!

FOXX disse...

eita nóis!
a coisa pegando fogo por aqui!

Rafael Cardoso disse...

Sexo a três é legal, mas no mundo das ideias, ná prática tem várias coisas que podem levar pra um lado que não gosto tanto. Chato? Eu? Pode ser, mas nunca fiz, apesar de uma certa curiosidade, acho que ainda não tenho cabeça para tanto.

Arsênico disse...

Acho ménage interessante... PARA LER!

Não é algo que eu tenha vontade de praticar algum dia... talvez por causa desse meu excesso de romantismo idiota!!!

***

BayjÖs!

;-D

André Santos disse...

a coisa foi boa !